9.2.09

Para Lupi...Deslumbramento

Sobre quem vai morar no exterior

Não é fácil morar no exterior. No início tudo é alegria, tudo é deslumbramento. Depois vem a fase da saudade, que dura mais 1 ou 2 meses. Nessa fase o Brasil parece ser o melhor país do mundo, pois as lembranças das coisas ruins já se foram e só fica a saudade da família, dos amigos, da rotina. Depois de uns 6 meses trabalhando para atingir um patamar melhor nesse sentido, tudo começa a melhorar. E daí vem a fase onde realmente se aproveita a experiência.

Vejam alguns depoimentos...

"Morei durante um ano em Washington, nos Estados Unidos, em 1991. O que pude verificar nessa época é que muitos brasileiros acabam por decidir ir para o exterior atraídos por uma noção um pouco distorcida de 'vida melhor'. Por exemplo, muitas pessoas de classe média, sem problemas sociais ou financeiros, deixavam a casa dos pais, estudos ou algum trabalho ou profissão específica, para viver nos Estados Unidos trabalhando de garçom, garçonete e outros empregos equivalentes, sem nenhuma perspectiva de mudança na sua condição em médio prazo e sem nem pensar em investir nisso. Apenas movidas pelo sentimento de que 'no Brasil está ruim, lá tem várias oportunidades, chegando lá eu me viro fazendo qualquer coisa', com uma certa inconseqüência que muitas vezes tem o seu lado saudável. Mas o que na maior parte das vezes acontecia é que, sem se perceberem, elas acabavam por se acomodar naquele 'vidinha day-by-day', sem nenhuma aspiração. A questão da 'ilegalidade' é até uma conseqüência natural disso e da 'inconseqüência' citada anteriormente. No caso que eu presenciei, a grande maioria das pessoas que optaram por viver assim não tinham visto de trabalho, e muitas vezes seus vistos de turistas já haviam vencido há muito. O que elas diziam em linhas gerais é que, enquanto elas pudessem manter tudo do jeito que estava, estava tudo bem."

"Morei em Londres por quase um ano em 1990. O que mais vi foram brasileiros vivendo uma vida mais dura que a que tinham no Brasil. Muitos chegavam a trabalhar 36 horas contínuas para fazer um pé-de-meia, voltar e 'comprar tudo o que sempre quiseram'. Vi brasileiros que não aproveitaram a chance para aprender (ou melhorar) o idioma, enriquecer sua visão cultural da Europa, conhecer outras cidades e países vizinhos. Viveram uma ilusão do 'eldorado'. Dinheiro ganha-se e gasta-se. O conhecimento, que deveria ser a mola propulsora para os que desejam morar no exterior, infelizmente fica em último plano. Assim, não passaremos de mão-de-obra barata e desqualificada, com todas as dificuldades de quem está longe da família, dos amigos e de suas raízes."

Não é nenhum paraíso não é?

Então algumas dicas.

1. Não esqueça nunca de onde você veio.

2. Em ambos países você vai encontrar coisas boas e ruins, a diferença é que estamos sempre mais acostumadas com as coisas ruins de onde viemos.

3. Tente esquecer os estereótipos. Esses são apenas caricaturas, e estamos convivendo com pessoas reais.

4. Não deixe a saudade acabar com você. Mais uma vez, lembre-se que foi sua OPÇÃO.

5. Evite viver em guetos.

6. Aprenda o idioma local.

7. Use e abuse da Internet. Não apenas para matar as saudades do Brasil, saber notícias de lá, se comunicar com sua família... mas também para ir descobrindo sua nova pátria, visitando os sites de turismo da sua nova cidade, descobrindo o que tem para oferecer.

8. Faça seu blog e compartilhe com outras pessoas as suas experiências.

9. O mais importante de tudo... NUNCA, mas NUNCA mesmo se sinta inferior aos nativos do país. Mas também NUNCA,NUNCA, NUNCA se sinta superior aos que não estão lá e sim no Brasil. Seja você mesmo, não se deslumbre!


Essas dicas são para a minha Lupi e para quem mais servir, Amiga seja muito feliz em Portugal!!!!!