3.9.04

Poeminha da vigilia.

Não era um bêbado equilibrista.
Estava em seu momento, seu tormento.
Sentou no cimento.
Abriu o zíper.
Disse ao amigo:
Oi. Vamos?
E nem ele foi