16.10.08

Como aconteceu.

Na sexta feira dia 11/10/2008 acordei bem animada, fomos, eu e meu marido, ao grupo de gestantes pela primeira vez, ainda não tiha ido pois estava insegura sobre a gravidez. A reunião foi maravilhosa. A tarde fui a uma festinha de aniversário de uma amiga na faculdade. Voltei para casa, durante todo o dia me sentia muito bem, jantamos e fomos dormir.
Durante a noite tive muitos pesadelos com cenas de sangue e morte, acordei toda molhada mas achei que havia feito xixi na cama, pois quando levantei não percebi que era perda de liquido, no entanto não consegui mais dormir direito preocupada, amanheceu o dia e eu estava me sentindo bem, um pouco preocupada com o episodio da noite mas bem.
Depois do almoço comecei a sentir dores, contrações, mas eram leves e pensei apenas que eram cólicas normais em inicio de gravidez. Às seis horas da tarde a dor ficou punk...Chamei um amigo e fomos para o hospital.
Ao chegar lá e ser examinada o médico acabou com minhas esperanças ao dizer que não havia mais como evitar...
Vinte minutos depois já na sala de pré parto do hospital minha filha saia de dentro de mim. Era uma linda menina, perfeita , dedos longos , nariz achatadinho como o meu, dedinhos com o lugar das unhas bem marcados, começo de uma penugem na cabecinha, boquinha linda... Tive que esperar a placenta sair para que eu pudesse pega-la no colo e me despedir, apesar dos protestos da equipe da hospital.
Depois de me despedir de minha filha que foi levada pela equipe do hospital, segundo ouvi para ser colocada em um vidro com formol, começou o tormento...
Passei uma noite de terror, como é desumano o tratamente dado a nós mulheres nos hospitais, não bastasse a dor emocional e fisica ainda temos que suportar a dor moral de tanto desrespeito.
Me coloram soro e me deixaram lá sangrando , sem forças nem para levantar para ir ao banheiro, horas depois uma senhora da limpeza que foi ao lugar onde eu estava pegar algumas roupas, eu estava praticamente em um deposito, viu o meu estado e trocou meus lençois e colocou uma fralda em mim além de me limpar.
A cama onde eu fui colocada só tinha colchão até a metade, eu estava com frio mas não conseguia me cobrir direito pois os lençois que me deram eram muito curtos e eu com o soro me impedindo os movimentos não conseguia me ajeitar.
Quando finalmente consegui me ajeitar, me cobrir e uma alma caridosa apagou aquelas luzes intensas que estavam me cegando, dormi alguns minutos. No entanto a médica chegou chingando no local, acendeu as luzes puxou meus lençois me olhou, puxou meu braço, olhou o soro e me deixou lá sem dizer uma palavra, meio descoberta e indignada.... Além disso a noite toda tive que escutar mulheres parindo seus filhos, bebes chorando, máquinas apitando a noite toda, gritos e coisas caindo ao chão.
Ela já havia recomendado a curetagem que só não foi feita na mesma noite porque eu não estava de jejum. Isso mesmo, a curetagem foi recomendada sem nenhum exame, sem esperar para se verificar se havia realmente a necessidade deste procedimento.
No dia seguinte conversei com o médico sobre a real necessidade da curetagem, ele disse que eu tinha razão que era melhor faezr uma ecografia para se verificar a necessidade da curetagem e que esta não precisva ser feita tão rapidamente, no entanto a ecografia só poderia ser feita no dia seguinte...
Pedi para sair, disse que não ficar mais um dia e uma noite no hospital, o médico disse que eu poderia ir mas que não com alta e sim por evasão e que não me daria nenhuma prescrição também.
Sai assim mesmo, vim para minha casa , para o conforto dos meus amigos e bem longe daquele horror.
Fiz uma ecografia que afirma que está tudo bem e na próxima segunda dia 20 irei novamente ao médico, as dores estão bem menores, meus seios estão derramando leite, mas logo irão secar e emocionalmente estou tentando me recuperar agradeço a todos os amigos que me deram apoio nesta hora dificil.